NOTÍCIA ANTERIOR
Queda nas vendas do varejo ante julho de 2017 interrompe sequência de 15 altas
PRÓXIMA NOTÍCIA
Sonda abre 200 vagas em São Bernardo
DATA DA PUBLICAÇÃO 14/09/2018 | Economia
Pesquisa mostra que 86% dos entrevistados aceitariam salário menor para voltar ao mercado
Pesquisa mostra que 86% dos entrevistados aceitariam salário menor para voltar ao mercado Cenário do desemprego no Brasil inclui cinco milhões de jovens — Foto: Reprodução/JN
Cenário do desemprego no Brasil inclui cinco milhões de jovens — Foto: Reprodução/JN
Estudo revela ainda que 64% dos desempregados entrevistados estão confiantes de que o mercado estará melhor nos próximos seis meses.

A 5ª edição do Índice de Confiança Robert Half apontou que 86% dos profissionais desempregados entrevistados para a pesquisa estão dispostos a aceitar uma proposta salarial inferior à do último emprego para voltar ao mercado de trabalho.

O comportamento retratado na pesquisa reflete a dificuldade de recolocação no mercado de trabalho. Em julho, havia 12,9 milhões de desempregados no país, segundo o IBGE.

Para Maria Sartori, gerente sênior de recrutamento da Robert Half, neste grupo de profissionais há os que estão vendo as reservas financeiras se esgotarem e precisam retornar ao mercado de trabalho com urgência. "Porém, também vejo outros que entendem que o momento atual é de estabilidade e são raras as propostas com pacotes de remuneração agressivos”, afirma.

Em abril, pesquisa divulgada também pela Robert Half mostrou que 70% dos profissionais desempregados que foram entrevistados não recusariam uma oportunidade se a remuneração fosse inferior à que eles ganhavam anteriormente.

Para Maria Sartori, aceitar a primeira proposta ou aguardar uma com remuneração mais atrativa depende muito da realidade de cada um. “É preciso entender há quanto tempo esse profissional está fora do mercado, como estão suas reservas financeiras e até qual valor ele aceitaria reduzir sua pretensão salarial”, diz.

A gerente de recrutamento recomenda que, além de analisar bem a situação, os candidatos devem avaliar as oportunidades com base em questões que vão além da financeira, como o desafio, a oportunidade de crescimento e aprendizado, o propósito e a qualidade de vida.

A pesquisa mostrou ainda que 64% dos desempregados entrevistados estão confiantes de que o mercado estará melhor nos próximos seis meses: 7% estão muito confiantes, 23% apresentam alta confiança e 34% revelaram um nível médio de confiança. Baixa e muito baixa foram, respectivamente, 23% e 12%.

Dentro desse grupo estão os desempregados qualificados (com 25 anos de idade ou mais e formação superior completa).

A pesquisa apontou ainda queda de otimismo dos profissionais (incluindo empregados e desempregados) quanto ao mercado de trabalho atual (de 30,9 pontos em abril para 28,8 pontos em julho) e futuro (de 50,2 pontos para 47,1 pontos).

No total, foram entrevistados 1.161 profissionais qualificados, com 25 anos de idade ou mais e formação superior completa, sendo 387 empregados, 387 desempregados e 387 recrutadores - profissionais com poder de decisão sobre o preenchimento de uma vaga dentro das empresas - de diferentes regiões do país, entre os meses de julho e agosto de 2018.

Por Marta Cavallini, G1
Assine nosso Feed RSS
Últimas Notícias Gerais - Clique Aqui
As últimas | Economia
21/09/2018 | Arrecadação em agosto soma R$ 109,751 bilhões, revela Receita Federal
20/09/2018 | Fusão de Nestlé e Garoto pode voltar ao Cade
20/09/2018 | Preço do gás de cozinha vai aumentar 5% a partir de hoje
As mais lidas de Economia
19/09/2018 | Emprego na indústria regional tem melhor resultado em 6 anos
20/09/2018 | Preço do gás de cozinha vai aumentar 5% a partir de hoje
20/09/2018 | Fusão de Nestlé e Garoto pode voltar ao Cade
As mais lidas no Geral
18/09/2018 | Morador de Mauá é sorteado em R$ 100 mil
19/09/2018 | Santa Casa de Mauá trata com sucesso caso de epidermólise bolhosa
19/09/2018 | Chiquinho do Zaíra tem candidatura deferida pelo Tribunal Regional Eleitoral
Mauá Virtual
O Guia Virtual da Cidade

Todos os direitos reservados - 2018 - Desde 2003 à 5678 dias no ar.